11.12.2009

"Pum, Pum", em curta metragem



Toma lá um tiro, "Pum", para ver se aprendes. Aprende-se sempre com um tiro, sabes? Ou então não, não se tem simplesmente tempo para aprender ou voltar a errar. Também há as facas é certo, mas estou cansado de sushi e japongas e se queres que te diga estou cansado já nem sei bem do quê, desta monotonia sem tiros, talvez. É mesmo só um tirinho que te quero dar carinhosamente. "Pum". Toma lá outro. Não é um tiro qualquer, atenta. Dos certeiros, é mesmo um bom tiro, daqueles que permitem mais. Dois tiros conversam sempre melhor, mas também não há duas sem três. "Pum", outro, pronto. Ainda mexes? Assim mesmo, lindo menino, vejo que estás a gostar. "Pum" "Pum" "Pum" sempre gostei de meias dúzias, é algo de revivalismo dos tempos das mercearias, não sei explicar. Não puxes por mim que ainda tento a alfarroba. "Pum" pronto, só mais um que o sete dá-me sorte. Com tanto fumo lembrei-me agora do Marlboro Man, morreu de um tiro, sabes? não acredites em tudo o que ouves. Apetece-me agora um cigarro, estás a ver. Foi tão bom para ti como foi para mim? "Pum", ups!!! Enganei-me no isqueiro.


Estupidez advinda após os repetidos massacres norte americanos, normalmente terminados com suicídio

1 comentário:

Tulipa disse...

A capacidade de matar aqui, previne a tentação de andar por aí a disparar para o ar ... e os cigarros tb matam mas é mais devagarinho ;)

Assíduos do shaker

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin