2.08.2009

Para sempre

Espera. Não te mexas. Deixa-me guardar-te assim. Assim, nessa simplicidade quase imóvel. Sensual. Deixa-me guardar-te para sempre. Sem dizeres nada. Assim. Sem te aperceberes sequer que te guardo fundo, dentro de mim. No sangue e na alma. Numa núvem. Algures, entre a pele e os lábios. Assim, tão perfeita que feres o olhar como um sol. Assim, para que te possa ver para sempre. Sobrevivendo ao tempo e a qualquer intempérie que sob nós se assole. Sobrevivendo a tudo. Para que te possa ver de olhos fechados. Para sempre. Sempre.

5 comentários:

Jade disse...

Era isto. Era isto que gostava que escrevessem a pensar em mim. Era isto. Parabéns.

:(

SF disse...

Perfeito! Delicioso, como uma tarde de sábado...

Mlee disse...

E por falar em retratos sem máquina ... gosto.

xin xin

um perfeito estranho disse...

O amor é (sempre) perfeito, eterno. Mesmo que não o seja.

eMe disse...

Vim parar aqui (outra vez) por acaso (ou talvez não).
Que mês inspirador... que amor forte esse que te faz escrever assim.
Genial.

Assíduos do shaker

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin