2.07.2009

Na fronteira da pele

Na fronteira da pele não há cães policias. Era isso mesmo. Na fronteira da pele. Onde eu acabo e tu começas. Onde eu passo de pecado em pecado. Deixo tudo e atravesso. Passo a linha e perco a calma. Na fronteira da pele não há polícia, não há controle.

Salmon Rushdie

4 comentários:

Daniel Silva (Sair das Palavras) disse...

Não aprecio muito (do relativamente pouco que conheço dele)mas curiosamente, também talvez pelo efeito da foto ;) acho-o bem bonito...

Mlee disse...

Ora aqui está uma curiosidade que tenho: e vale a pena ler o Salmon Rushsie? é autor em que nunca agarrei...

Quanto à fronteira da pele, é bom quando deixa de o ser.

xin xin

SF disse...

A julgar pela amostra, acho curioso que haja dúvidas quanto à escrita de Salman Rushdie. Também conheço pouco, muito pouco, mas bastava-me o 'teu' parágrafo para ficar presa. Bastou-me, aliás...

'Uma vez, timidamente, ofereci-lhe um colar de flores (boas-noites para o meu lírio-da-tarde) comprado a uma velha vendedeira ambulante de Scandal Point com o dinheiro da semana. "Não uso flores", disse Lilith, atirando ao ar o colar indesejável e alvejando-o antes de cair com um tiro da sua pistola de pressão de ar Daisy, sempre certeira. Abatendo flores com uma Daisy, dava-me a entender que nunca ninguém a prenderia, nem com um colar.'
[Os filhos da meia-noite, Salman Rushdie]

Desculpa o alongamento :)

XinXin

Doce Veneno disse...

A imagem já conhecia. Linda. :)

O Texto não. Deve fazer parte da tal biblioteca.

Mas a pele tem fronteira? Se encostada noutra, deixa de haver limites...

Assíduos do shaker

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin