7.27.2008

Olhar nos olhos

A humilde capacidade de admirar as pessoas, respeitá-las, que tanto levei a conseguir. Olhar nos olhos o que um ano destes não serei. Custa-me a ideia de não escrever um dia. Do mundo continuar sem mim. De perder corpos, calor: o que ganharei em troca?


António Lobo Antunes


6 comentários:

Lover disse...

excelente referência, excelente excerto...até parece que o ouço, naquela tranquilidade (quase) única, da entrevista que tanto me marcou!:)

"A humilde capacidade de admirar as pessoas, respeitá-las, (...)"

Xin-Xin

Nikky disse...

"Cada vez mais, quando acabo um livro, o meu medo é o de já estar a rapar o fundo ao tacho. A sensação de que nasci com um certo número de livros e que, se calhar, eles já acabaram." ;)

lilazdavioleta disse...

A eternidade.!

Andrómeda disse...

Ia dizer a eternidade, também ... mas, o que é a eternidade em comparação com esse calor dos corpos? ...
Adoro este senhor. Amo-o mesmo, sem nunca ter cruzado sequer a sua sombra ...

Noiva Judia disse...

Esta referência à mortalidade, tão crua e tão genuína... fabulosa.

Dry-Martini disse...

É preciso recorrer ao Lobo Antunes para conseguir reunir o quórum das leitoras? :)

XinXin

PS: Estou a brincar. Não foi de todo a minha intenção mas só demontra a qualidade (penso que consensual) do autor.

Assíduos do shaker

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin