1.24.2007

Corpo de palavras

Escreveu-a junto a si. No próprio corpo para que nunca se separassem. Foi difícil escolhe-la, entre tantas. E fê-lo com a solenidade litúrgica de algo sagrado, com uma caneta de aparo. Cedo percebeu porém que era impossível ficar por ali. Amava-as a todas. Pelo som, imagem, sabor. Pela força, poder, textura ou quente languidez.
Começou a colecciona-las, uma a uma, lentamente, junto a si.
Na angústia de saber que tal teria um limite, um fim perguntava-se a si própria – será possível apaixonarmo-nos pelas palavras?

1 comentário:

lilaz disse...

É facílimo,mas mais ainda pelos pensamentos.
É que com as palavras, há o risco das más interpretações.

Assíduos do shaker

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin