11.02.2006

Escuridão brilhante

Onde estás que não te vejo?
Sinto-te a toda a volta,
sinto-te em mim...
Mas não te vejo...
Sinto-te na alma, sinto-te no coração
quase tão real, que quase poderia segurar na tua mão.
Mas não te vejo...

Procuro por ti
em cada rua, em cada canto
para terminar a minha busca,
triste e amarga.
Mas não te vejo...
Não te vejo mas eu sei
que não será sempre assim,
pois eu colho da paixão
a força que trago em mim.

Eu não te vejo...
mas será isto ilusão, será isto loucura...
ou talvez na sua forma mais pura,
apenas paixão e desejo?!
Não te vejo,
mas digo com o sabor de uma alma que sentiu.
Não é só o desejo de te encontrar,
é também a saudade
de quem nunca de mim saiu.
M.


Quantas vezes é na total escuridão que brilha a alma e se ilumina um poema.
Não sei se foi o caso, mas sempre preferi voar no desconhecido da escuridão brilhante a permanecer imóvel em claridades que ofuscam.

2 comentários:

Andrómeda disse...

Este poema é lindo ...

Quem é M?

Concordo inteiramente com a tua última frase :) Também prefiro a escuridão brilhante à claridade ofuscante.

Andrómeda

JAMESEE-ST-SMILE disse...

good picture

Assíduos do shaker

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin