3.30.2010

Mel

Escorres-me dos pensamentos até aos lábios, suspensa no peso da saudade, num mel espesso e vagaroso interior. Fecundo, sedoso, que te arrasta diluída no doce dos sentidos, misturada em mim. Algures, por dentro da pele - entre um brilho de sol nas searas e passos descalços a correr - vagueando nua, em mim, entre músicas e imagens soltas à tua passagem, que te dissolvem no meu lago cristalino, que apenas ondula quando te vai e vem buscar. Lentamente, sem pressa de chegares, aconchegas-te e ficas, na dança do teu sabor. Escorres-me em mel, e em mel te conservo, todo este tempo e o que ainda há-de vir, neste favo da memória, que não parte com as abelhas nem no aroma das flores. Um mel pegado aos dedos, um mel colado a um sopro do coração.

5 comentários:

Mlee disse...

Gosto muito dessa foto da Monica Belluci, aliás, confesso que acho essa mulher a definição de "mulherão"!

Palavras bonitas ... como sempre.
xin xin

um perfeito estranho disse...

Trata-o (ao amor) bem, para que seja sempre doce. Conserva-o.
É um privilégio amar (e ser amado) assim. :)

Tulipa disse...

Um verdadeiro pote de mel, esta tuas palavras...kisses

gabrielle disse...

magestralmente elaborado!

Dry-Martini disse...

Obrigado pelas vossas palavras exageradas, mas doces :)

XinXin

Assíduos do shaker

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin