1.12.2010

Fragmentos de uma tarde

Nunca vi uma pessoa ocupar tão pouco espaço como ele nessa tarde à medida que fragmentos indecisos principiavam a unir-se em mim, membranas transparentes e essa espécie de lágrimas que nos acompanham toda a vida, algumas vezes nas pálpebras mas a maior parte do tempo ocultas de nós, numa das pregas de desconsolo de que somos feitos, se conseguisse contar-vos, e não consigo, o que nos rói sem sabermos, o que custa sem darmos fé omitindo os segredos estrangulados e as misérias conscientes, tanta boneca falecida, tantos olhos só nossos que nos censuram [...] eis o António Lobo Antunes a saltar frases não logrando acompanhar-me e a afogar num tanque os gatinhos que sinto para se desembaraçar de mim

António Lobo Antunes,
in "Que cavalos são aqueles que fazem sombra no mar?"


ainda agora comecei e já estou sem palavras...

2 comentários:

Sandrine disse...

Fico sempre sem palavras com ele... mas é um silêncio delicioso, que me afaga e me aquece, que me impele a qualquer coisa que nunca sei muito bem explicar!
Beijo grande e Bom 2010!

Clara disse...

Hum, as palavras envolvem-nos de uma tal forma... fiquei curiosa.

Beijinhos

Assíduos do shaker

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin