8.14.2009

Ensaio sobre a cegueira*

Onde nasce o amor? Em que momento desperta? Ou incuba, no sangue, procurando o momento preciso para desferir o seu disparo certeiro. Propagando-se, até ao limite de dizimar, num incêndio, tudo em redor. Por onde cresce e floresce? Apertando como trepadeira ou abraço quente. Até se tornar mortífero e indomável. Implacável. Até não se conseguir suster mais num corpo só. Onde se guarda ou se esquece um amor assim?


* da não autoria de Saras nem Magos

4 comentários:

alfabeta disse...

Já vi o filme, não percebi ainda qual a mensagem do filme.

:)

Quase disse...

Acho que não se consegue guardar, tãopouco se consegue esquecer....
Às, só às vezes, consegue-se "fazer de conta" durante algum tempo, mas ele estará sempre por aí.....
(lindo post, e oportuno, já agora... ;)
Xin Xin

© disse...

'entre nós'
:p

so many questions....

Maria Manuela disse...

Guardas onde podes. Como se esquece? Não sei! Ainda estou a ver se consigo dar com essa resposta.

Assíduos do shaker

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin