6.22.2009

Fixamente

cai neve no cérebro vivo do imaculado - dizem
que estes milagres só são possíveis com rosas e
enganos - precisamente no segundo em que a insónia
transmuda os metais diurnos em estrume do coração

dizem também
que um duende dança na erecção do enforcado - o fulgor
dos sémenes venenosos alastra no brilho dos olhos e
um sussurro de tinta preta aflora os lábios
fere a mão de gelo que se aproxima da boca

o vómito da luz ergue-se
das palavras ditas em surdina

a seguir vem o sono
e o miraculado entra no voo dos cisnes
o dia cansa-se
na brutalidade com que a voz se atira contra as paredes
abrindo fendas
em toda a extensão das veias e dos tendões

quando desperta com o crepúsculo
o miraculado olha-nos fixamente e sorri
dá-nos uma rosa em forma de estilete - fechamos os olhos
sabendo que este é o maior engano
da eternidade

Al Berto

4 comentários:

o Nosso cAstelo disse...

não gostei lá mt do poema mas venho felicitar-te pelo blog renovado, mt melhor ;) boa noite

Dry-Martini disse...

Castelo,

Os poemas são sempre muito pessoais e como diz uma ilustre conhecida "Os poemas não se gostam, sentem-se" e os do Al Berto são duma crueza que fere. Muito fortes. Obrigado pela sinceridade e pelas palavras .)

XinXin

Rosa disse...

As rosas são tramadas! :Þ

Dry-Martini disse...

Rosita,

São, mas permitem milagres lá para os lados de Leiria :)

XinXin

Assíduos do shaker

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin