4.29.2009

O texto que tomei para mim

Tomei um texto para mim. Queria-o tanto, meu, que mesmo sabendo-o de alguém, que não eu, não quis saber. Tomei-o para mim sem pedir licença. Guardei-o, como se guarda um bem frágil. Precioso. Uma anémona, liberta, no meu oceâno. O texto que tomei para mim.

Percorri-lhe cada frase, vezes sem conta. Na claridade e no escuro. Lentamente, refiz da escrita os teus gestos. A tua imagem, apagada. Senti, com as mãos, a textura de cada palavra. Como uma cicatriz antiga, lembrada delicadamente. A cada pausa, o teu respirar. Próximo. Presente.

Era um texto pequeno. Simples, mas infinito. O texto que tomei para mim. O texto que passou a viajar e a dormir comigo. Que diluí na pele. Que passei a saber de cor. Tudo isso mora nesse texto. O texto que quiz só meu, O texto que tomei para mim.

7 comentários:

Pearl disse...

Há palavras que nos são tatuadas na pele, marcadas na alma!

beijinho

Mlee disse...

"tenho" alguns desses, que quero para mim.

xin xin

© disse...

pois olha que há aqui alguns que gostava muito que fossem para mim.
:p

Dry-Martini disse...

(c)...zinha

Tem bom remédio, sirva-se :)

XinXin

© disse...

tu já me serviste dois. lindos!! :)

alfabeta disse...

Gostei!
:)

M disse...

Pronto. Eu agora quero é tomar este texto para mim... :)

Assíduos do shaker

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin