3.22.2009

Tainted Love #1



Edward Hopper, EUA (1882 – 1967)



A solidão contemporânea, urbana. O mistério e realismo de mãos dadas. Calados, num olhar reservado, que se propaga sem pressa, sem tempo, num sussurro sem fala. O vazio dos lugares. Iluminados, por uma luz tépida, estranha, envolta dum silêncio perturbador.

Pintas a solidão e o realismo e tocas-me em alguns pontos desses lugares.

5 comentários:

me. disse...

Este está no meu canto! ;)
http://uhmporaki.blogspot.com/2009/02/rooms-by-sea.html
"Rooms by the sea"

Começas pelo mágico real-uma corrente do realismo!
E o texto que o acompanha, excelente! Silêncios estáticos...

Dry-Martini disse...

Me.

Também conheço, foi uma das opções .)

XinXin

Mlee disse...

A solidão que os quadros inspiram é de tal forma o mote que, naqueles que têm figuras humanas, parece que elas estão a mais ... como se fossem invasoras da paisagem, no da mulher então é flagrante!

xin xin

(in)confessada disse...

http://inconfessaveis.blogspot.com/2005/12/broken-dreams.html


:)

Jade disse...

AMO Hopper. Ora aí está mais uma coisa em comum!
Xim-Xim

Assíduos do shaker

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin