4.05.2008

Tudo se funde

Tudo se funde. Os móveis do salão que falam no escuro das noites frias. A ferida aberta que demora a sarar. O corpo inanimado. Exausto. A nudez pálida da lua. A árvore desmembrada, estalando na lareira. Soltando memórias. Incandescentes. Julgadas extintas. Também se funde a memória. E a prata dos talheres. E o cheiro do jasmim. Tudo se funde. O nosso amor. O bem e o mal até. Como a saudade num beijo. Como o calor da minha mão na tua pele.

1 comentário:

ariana luna disse...

Tudo se funde.
Gostei da ternura desta fusão.

Assíduos do shaker

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin