12.21.2006

A minha sereia

A minha sereia ainda não canta mas encanta como ninguém.
Fala na vóz dos peixes e respira sol no olhar. Suas lágrimas são meu mar, seu sorriso a vela esticada que rasga horizontes. Sua fome é minha sede, suas mãos meu alento. Na sua pele, o calor da areia fina. No seu buzio a paz dos anjos.

Não sei o que pensa a minha sereia, mas sou naufrago, prisioneiro do seu olhar.

1 comentário:

lilaz disse...

Olá!Mas as sereias existem para isso mesmo..."tornar os humanos naufragos do seu olhar".
E pela istórias que conheço sobre elas,uma das suas características é amar a liberdade...

Assíduos do shaker

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin