10.23.2006

O vento e a palavra

"Palavras leva-as o vento"



Por mais palavras que coleccionasse não se conseguia explicar. Por mais que existissem, que se inventassem eram manifestamente insuficientes.

As palavras padecem desta fraqueza, por mais precisas, minuciosas, poderosas, milimétricas, como que por uma maldição, não são fiéis, embaciam o espelho da alma do criador, reflectem a luz, não a deixando penetrar na profundeza desejada, evaporam sem molhar a pele. Traiem quem tanto as acarinha.

As palavras são, por vezes, prisioneiras de resposta, retidas. Outras, passeiam em pés descalços sobre conchas brancas, silenciosas, arrefecendo na espuma sem serem notadas. Arremeçadas violentamente, por vezes, ferem de morte quem as enviou com a melhor das intenções.

As palavras são meras articulações da linguagem, que na sua mais pura essencia é universal, transparente, musical aquando da presença um simples olhar.

Por tudo isso, há alturas onde aquece mais o vento na cara a uma fria palavra cara. Palavra!

1 comentário:

lilaz disse...

Talvez por isso o silêncio, acompanhado de atitudes,seja mais eloquente e tenha mais força.
A palavra,como sabemos,depois de lançada, já ñ se apanha e se é levada pelo vento,corre o risco de se perder de vez.
E é pena,pq se cair num terreno ruim,pode ñ dar frutos e dar origem a ervas daninhas.
Acarinhemos as palavras, portanto.

Assíduos do shaker

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin